O espanhol falado na Argentina. (1)

buenosaies

Buenos Aires.

O idioma espanhol, apresenta um sistema e rasgos gramaticais, os quais são únicos e inalterados. No entanto na Argentina este idioma se diferencia em alguns aspectos de tipo morfológico, fonético, sintáctico, semântico e especialmente no vocabulário. Eram esperadas estas diferenças, devido as dissimiles realidades, costumes, estilo de vida, ubicação e propriedades geográficas. Por exemplo palavras como “mate”,“puma” e “pampa” são apenas  aplicáveis para  Argentina. Em quanto ao resto de América as desigualdades se devem a factores sócio-culturais.

Porém, entre as distintas regiões da Argentina também existem diferenças na fala. Isso se deve às distintas influenças por parte dos grupos indígenas e às imigrações estrangeiras.

Há dois classificações possíveis da língua, a linguagem escrita (ou culta) e a falada (ou coloquial). A primeira, não tem sofrido muitas mudanças  e foi melhorando através da variedade de obras com autores argentinos. A segunda podemos observar a grandes rasgos dois diferenças: a escassez de vocabulário, nas zonas com maior população e  nas zonas rurais, características fonéticas vulgares.

A continuação daremos alguns exemplos das características fônicas:

  • O “seseo” aplicado de maneira similar às “s”, “c”, e “z”, exemplo: siruela por ciruelasapato em vez de zapato e sapo por sapo.
  • O “yeísmo“, que é a pronuncia do “ll” como “y”, exemplo: yama por llamayanto por llanto.
  • Na província de Corrientes a herança do guaraní, determinou na fonética um “ll” muito marcado.
  • Em algumas províncias, o “ll” foi substituído por o som da letra “i”, exemplo: cabaio por caballo e iave por llave.
  • Nas províncias da Rioja e Catamarca  se pronuncia o “rr” similar a o “y”, exemplo: yisa por risaayeglo por arreglo.
  • A aspiração do “s” quando este se encontra ao final da sílaba, exemplo: do ou tre como dos ou tres.
  • A acentuação do pronome no caso do pronome enclítico, exemplo: sientesé por siéntesetomenlá por tómenla.
  • O uso de palavras graves como agudas, exemplo: pídamos por pidamosduérmamos por durmamos.
  • No  caso de algumas províncias como Córdoba, Santiago del Estero, Tucumán e Salta, o acento sofre uma alteração, muda a quantidade de vocais, abreviando-os ou alongando-os segundo o tono.

As seguintes são características de aspecto sintáctico:

  • O “voseo“: substituição do pronome pessoal “” por o pronome pessoal “vos”. Este último concorda com a pessoa do plural, mas contraída, e perde o ditongo (vos contás, vos tenés, e vos estudiás).
  • O uso de “ustedes” por “vosotros” concordando com a terceira pessoa do plural (ustedes cantarán, ustedes tienen)
  • Alguns tempos verbais, como o futuro indicativo, são substituídos por frases (voy a salir, voy a comer)
  • Nas  orações condicionais se utiliza em lugar do pretérito imperfeito, o modo potencial (si tendría ganas lo haría, si podría iría em vez de si pudiese iría o si tuviese ganas lo haría).
  • Uso da forma “lo de” por “la casa de” (iré a lo del médico). E mais grave ainda (iré del médico).
  • O “dequeísmo” consiste em agregar a preposição “de” em algumas frases (me dijo de que vendrán por me dijo que vendrán).

Aspectos morfológicos:

  • O já nomeado “voseo”, pode categoriza-se também na área morfológica devido à perdida do ditongo no verbo (vos comprás).
  • O uso de diminutivos e aumentativos (paisanote, grandote, cerquita, gauchito).

Características léxicas:

  • Na grande cidade se produz um fenômeno que foi o crescimento de uma gíria paralela. Esta gíria denominada lunfardo, se originou nas classes sociais mais pobres e foi desenvolvendo-se através do tempo até formar parte da fala “porteña”. É frequente também que alguns escritores nacionais misturem alguma palavra do lunfardo com o castelhano geralmente no gênero narrativo ou teatral. O lunfardo é o legado das imigrações, a começos do século XX, da Itália principalmente e da Frância.
  • Os dialectos indígenas estão em desuso e se vão esquecendo  aos poucos. No entanto em algumas províncias é praticado um bilinguismo que consiste no uso do castelhano e o quechua ou o castelhano e o guaraní como fala cotidiana.
  • Algumas palavras apenas são usadas na Argentina como: tiento, mate, puestero, velorio, churrasco, yuyo, trincar, apechugar, tranquera, masita, retrucar, pampero, canillita, etc.

Em síntese, o idioma “argentino” não é, nada mais que o espanhol da Espanha. Só que sofre algumas modificações nos aspectos léxicos, fonéticos, morfológicos e sintácticos (os dois últimos, no entanto não são tão importantes) que diferenciam ao nacional do estrangeiro.

==============

Fonte: Enciclopédia Salvat.

Tradução livre.

Joaquim

http://www.espanholparavoce.com.br

Anúncios

Sobre Joaquín Angel

Nasci e me formei como Mestre Industrial em Valencia na Espanha, realizei estudos de Ciências Empresariais e Econômicas na Universidade de Valencia. Autodidata, gosto muito da leitura e do ensino do espanhol no Brasil, atividade que venho fazendo desde 2006 quando comecei dar aulas no grupo da igreja e desde 2007 de forma profissional. Nos últimos anos tenho ministrado aulas a multitude de alunos em escolas, grupos e aulas particulares VIP, também tenho ministrado vários cursos para Universidade do trabalhador da Prefeitura de Sorocaba etc.
Esta entrada foi publicada em Aprender espanhol com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s